terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

10º dia - Villa O´Higgins/CH a Cochrane/CH - 274km

Acordamos bem cedo hoje, 6h. Ajeitamos os bauletos e descemos para o café, onde estavam todos os amigos chilenos que conhecemos ontem. Sete em ponto, saímos. A moto já estava pronta, abastecida na noite anterior.


posto "Petrobras"


a natureza é fantástica


Pedreira e chuva, mas conseguimos chegar até mais rápido na balsa. Tínhamos deixado mais meia-hora de "reserva", para chegar a tempo. Recorremos 100km em 2h10, de pedreiras e penhascos.


esperando o ferryboat





A estrada parece uma "filial" mais light da Carretera de la muerte, na Bolívia. Chegamos às 9h10 no atracadouro e ficamos esperando até às 10h o "transbordador", com uma chuvinha fraca.


"amigos" esperando a balsa também


Embarcamos a moto e subimos para a cabine. Ficamos em pé, ao lado de uma estufa a óleo, da própria embarcação. Coloquei na potência máxima e ficamos ali, escorados, secando um pouco. Coisa muito boa, de outro mundo. Mais uns 50 minutos de navegação e chegamos em Puerto Yungay. E ainda chovendo.


chegando a hora


e vamos nós






ficamos no "aquecimento"


Ali tem uma pequena "confiteria". Chegamos para tomar um café e comer algo, pois já era 11h30. Encontramos novamente os amigos chilenos, que estavam em um ônibus, e também um senhor de Madrid chamado Richard, que estava recorrendo o sul do Chile em uma BMW 650GS, que alugou em Santiago. Conversamos um pouco. Ficou admirado com o fato de estarmos recorrendo toda a Carretera Austral de RT. Tirou várias fotos antes de sairmos.


amigo Richard


Seguimos o nosso passeio até Caleta Tortel. Chegamos num "cruce" e tomamos a esquerda. Rodamos mais 22km de rípios e chegamos a Tortel. Legal a cidadezinha, toda sobre estruturas de madeira e com muitas escadas e passarelas. Interessante. Descemos até o porto, com as roupas de chuva e capacetes. Para descer foi fácil, mas para subir já deu um calorzão. Não nos prolongamos. Tiramos algumas fotos e voltamos para a estrada, em direção a Cochrane.




vamos a Tortel







descer é barbada...









deixando um "calco"



desceu... tem que subir...


Ali a ruta é de uma pista somente, de rípios, variando entre o "bom", quase asfalto, e as pedreiras, brutas mesmo. Numa das curvas quase demos de frente com uma camionete. Freiamos e felizmente conseguimos desviar, e o motorista da camionete baixou no barranco. Por sorte não colidimos. Verifiquei pelo retrovisor que ele retornou para a estrada sem problemas. Mais 10cm e ele enroscava no bauleto lateral da RT. Que susto levamos. Mas aqui é assim praticamente em toda a estrada.












nevados no entorno






voltando para fazer um vídeo




se aproximando de Cochrane


Chegamos aqui em Cochrane era 16h, com céu limpo, de sol forte e calor. Vai entender esse tempo. Fomos direto ao banco tentar trocar alguns dólares, sem sucesso, pois já estava fechado. E na cidade ninguém troca moeda. Lembrei que trouxe cartão de crédito internacional. Saquei direto em conta e já nos pesos chilenos que precisávamos. Muito bom o tal cartão nas emergências.

Vai aqui uma dica para quem quiser baixar pela Carretera. Observar o horário bancário, das 9h às 14h, para trocar moedas. Melhor esquecer o cartão de crédito e "câmbio" de moedas em Caleta Tortel e Villa O'Higgins. Melhor já levar peso chileno, trocado, com uma certa provisão. A gasolina em Villa O'Higgins sai quase US$ 2 e em Cochrane U$ 1,5, o litro. "Habitacion" a mais ou menos US$ 25 o casal e uma janta sai o mesmo valor, para duas pessoas. Não é caro, mas se alimenta muito melhor na Argentina que no Chile, e se paga menos.

Sacamos "la plata" e fomos para o "nosso" hotel, o mesmo da ida, que já tinhamos deixado reservado para hoje. Subimos com a bagagem e tomamos um belo banho. Depois saímos procurar um local com internet, pois hoje é segunda-feira.

Procuramos a internet municipal, que é gratuita. Chegamos felizes por poder nos comunicar com o pessoal. Só chegamos, pois estava "cerrado". Somente na quinta-feira. E a outra e única internet que tinha para turistas fechou as portas no sábado. Sem comunicação novamente, mais um dia. Aliás, a comunicação por aqui é meio precária. O que não tem solução, solucionado está. Depois procuramos um locutório, onde a Grazi fez algumas ligações para o Brasil, com muita dificuldade.

No passeio, paramos num mercado para comprar algumas coisas para a viagem. Aproveitamos e compramos umas "papas fritas" e umas cervejas, que consumimos ali, no banco da praça, em frente ao mercado. Seis da tarde, com sol forte, dois loucos no banco da praça tomando cerveja e comendo batatinha frita. Até a Grazi encarou uma cerveja. kkk Faz parte.


fazendo compras


experimentando uma Austral


no banco da praça, de férias...




Retornamos para o hotel. Sai abastecer a moto para amanhã, onde faremos mais uma vez uma "operação padrão", acordando 6h e saindo 7h. Temos que visitar as Capelas de Mármore, que ficaram para trás em nossa "descida".

Jantamos há pouco, aqui na pousada, um lomo a lo pobre, e agora estamos descansando para amanhã, pois tem estrada pela frente.

Forte abraço a todos!

Um comentário: